Diversidade de pensamento: a cura da polarização | Festival CIEE da Diversidade



Cada um de nós, vê o mundo a partir de um centro próprio, cada observador(a) está enclausurado(a) em suas sensibilidades e estruturas de percepção, significando tudo a partir de suas próprias experiências. Assim, de onde estamos, contemplamos o universo que nos circunda e o horizonte de imagens que criamos a respeito do nosso passado e futuro. Vivemos a ilusão de que vemos o mundo, mas na verdade o que vemos é nossa visão de mundo, nossa versão de mundo.


A diversidade de visões e pensamentos nos permite "ver em rede" - o que nos dá acesso à uma compreensão mais complexa. Para ver mais do universo, da natureza, da natureza das relações, é preciso aprender a cuidar do próprio olhar como um processo vivo. Assumir que a outra pessoa é vital para eu ver mais, tentar perceber o universo e a mim mesmo à luz de outras experiências, repertórios, crenças, corpos, emoções... Ela me permite enxergar um pouco além da prisão do meu centro (mas, paradoxalmente, ainda assim, a partir dele).




CATEGORIAS
TAGS